Forragem Pena Branca


Em geral, a forragem é constituída por folhas e talos de plantas (erva, caules da planta do milho, etc.). Os burros têm que pastar todos os dias. A qualidade da forragem depende da espécie da planta e idade, a estação e as condições climáticas. Os burros são muito selectivos na alimentação, pelo que precisam de ter uma vasta variedade de plantas para escolher quando pastam.

Os burros ao estarem cercados, presos a um poste/estaca, sozinhos ou em manada, podem pastar sem supervisão. Ao pastarem livremente, serão capazes de encontrar uma variedade de plantas. Se os burros forem presos, é importante movimentar a estaca diariamente, ou pelo menos 2 vezes por dia. Se estão encurralados, é preferível ter várias pequenas cercas do que uma grande, o que permitirá que os burros se movimentem frequentemente (pasto rotativo) e obtenham mais nutrientes do que pastando contínua e seletivamente em vastas áreas. Um burro, ao pastar, pode ingerir ovos de parasitas internos que se encontram no estrume, o que lhes causa infeções internas, particularmente de lombrigas. Deste modo, não se deve permitir que os burros pastem em áreas com acumulação de excrementos.

As plantas jovens, assim como as que crescem em estações frias e secas, fornecem mais nutrientes do que as plantas velhas. A qualidade das forragens conservadas (tais como erva seca) dependem tanto da qualidade do produto de origem como da forma como é conservada, devendo por isso ser guardadas em lugares secos. Forragens que se tornam húmidas e bolorentas ou empoeiradas podem constituir um risco grave para a saúde do animal. Caso a forragem disponível não seja de qualidade ou em quantidades suficientes para manter os burros em boas condições físicas, poderão precisar também de alguns concentrados.