Miquinhas
      A Ti Maria Sância de Sendim tem 70 anos e uma bela horta. Trabalha-a para ter a casa recheada todo o ano mas também para ajudar às contas do mês: semeia couves e cebolas para as vender já germinadas a quem queira cultivá-las na sua própria leira de terra. Durante 32 anos, teve uma mula como fiel companheira de trabalho, para a levar até à horta e para puxar a carroça carregada da colheita do dia ou de lenha. Quando a mula adoeceu, a Ti Maria viu-se sem ajuda e sem força para criar e ensinar um animal novo.

    A Miquinhas, uma bonita burra de Miranda, foi para a AEPGA há quase 10 anos, onde teve duas crias. Chegada aos 20 anos de idade, e à semelhança do que acontece com todas as outras burras da Associação, foi retirada do plano de reprodução e foi para o CAB, para que gozasse da sua merecida reforma. Uma vez na sua nova casa, mostrou ter muito mais energia do que o esperado - de tal forma que cedo ficou claro que a Miquinhas seria mais feliz a fazer trabalhos ligeiros.

    Tinham-se assim juntado os ingredientes para o caldo perfeito: a Miquinhas foi cedida à Ti Maria Sância, que voltou a ter ajuda nas tarefas diárias, aproveitando a energia de uma burra ainda muito capaz de trabalhar!

    Este é apenas um dos muitos exemplos felizes do protocolo de cedência que o CAB tem vindo a propor, nos últimos anos, aos criadores e proprietários de burros do Nordeste Transmontano. Esta é uma acção que além de valorizar os animais e o seu trabalho junto dos criadores, dá resposta ao problema de encontrar soluções para os animais de idade que garantam o seu bem-estar, aproveitando ao máximo as suas capacidades.